sábado, 21 de março de 2015

Monstra: Jack et la mécanique du coeur

Hoje foi dia, dia de ir ver o outro filme que queria da Monstra, cheguei cedo mas não foi tempo perdido avancei na leitura de um livro. Gostei imenso do filme, admito que não é normal quando se trata de um filme em francês mas este é daqueles que voltaria a ver. Espécie de musical em que adorei as palavras.
Alguns excertos do filme... para vos aguçar o apetite.



Agora, só me falta ler o livro. E, depois feira da Alegria.


Adorei uma mala de mão multicolorida, mas ficou lá. Hei-de tentar fazer uma igual para mim em crochet.

Nunca me esqueças, de Lesley Pearse

Livro de aventuras em que aprendi imenso sobre a colónia de Nova Gales do Sul, futura Austrália. Aqui desembarcaram imensos prisioneiros vindo de Inglaterra a história relata as venturas e desventuras de uma mulher num desses barcos.
Compreendo a luta pela sobrevivência dela, e mais tarde dos seus, quando ela própria condenada, vivendo numa colónia de presos, que não se consegue sustentar a si própria e em condições extremas, se vê rodeada do pior que existe na humanidade. Os soldados, de certa forma, pensam-se superiores desde os condenados aos aborigenas, e têm na cabeça uma hierarquia. Os prisioneiros tem de certa forma algo semelhante, ares de superioridade, na forma de pensar dos aborigenas. Cada um só vê o que consegue extorquir dos outros. Nada relatado sobre a opinião dos aborigenas em relação ao brancos.
Tudo isto é que dá o calor e vontade de ler, a sua forma de pensar, criticamente, ao olhar ao seu redor, e verificar de forma consciente a sua situação e tentar alterá-la. História de casmurrice, poderiamos dizer, mas não será também de perseverança. Não existe um sem o outro. Busca de sonhos.
Sinopse:
Até onde iria por amor?
Num dia…
Com um gesto apenas…
A vida de Mary mudou para sempre.
Naquele que seria o dia mais decisivo da sua vida, Mary - filha de humildes pescadores da Cornualha - traçou o seu destino ao roubar um chapéu.
O seu castigo: a forca.
A sua única alternativa: recomeçar a vida no outro lado do mundo.
Dividida entre o sonho de começar de novo e o terror de não sobreviver a tão dura viagem, Mary ruma à Austrália, à época uma colónia de condenados. O novo continente revela-se um enorme desafio onde tudo é desconhecido… como desconhecida é a assombrosa sensação de encontrar o grande amor da sua vida. Apaixonada, Mary vai bater-se pelos seus sonhos sem reservas ou hesitações. E a sua luta ficará para sempre inscrita na História.
Inspirada por uma excepcional história verídica, Lesley Pearse - a rainha do romance inglês - apresenta-nos Mary Broad e, com ela, faz-nos embarcar numa montanha-russa de emoções únicas e inesquecíveis.
Boas leituras

quinta-feira, 19 de março de 2015

Dia do Pai e Granny Square Blanket- update

A manta era, supostamente, para prenda do dia do Pai mas está a demorar mais do que pensei para terminá-la. Já estive a verificar medidas com o futuro proprietário e mais um bocadinho e ficará bem. Ficam as fotos de como está...

Ainda falta mais uns 3/4 novelos, mais um rosa, um multicolorido e se calhar vou acabar como iniciei em castanho e laranja. E normalmente, enquanto faço crochet vejo filmes, desta vez foram:


Feliz dia do pai

quarta-feira, 18 de março de 2015

Monstra: Shaun the sheep - The movie

A mais nova falou de ir ver a Ovelha Shoné, que adora, que queria ver. Está bem vamos ver. Quem não conhece? Acho que até extraterrestre conhece, titulo original Shaun the sheep, mas desta vez é o filme e não episódios da série televisiva. Através do festival de animação de Lisboa, a Monstra, está em exibição no cinema São Jorge.
Deixo link para o programa, que teve o seu inicio no dia 12, e o trailer do filme.

Recomendo, ri tanto mas tanto que até me caiu uma lente dos oculos  (ˆ◡ˆ)
Ainda vou ver mais um, me aguardem pois não é hoje.

sábado, 7 de março de 2015

Granny Square Blanket- update


E aqui está ela, a manta, tem progredido lentamente, mede 133 por 133 cm. Fui vendo alguns filmes enquanto trabalhava...

domingo, 1 de março de 2015

Feira da Buzina

O conceito deste tipo de feira é reciclar, vender o que se tem e não se usa, de forma a transformar essas coisas em dinheiro ou noutras. Utiliza a bagageira do seu carro para expor a mercadoria e, é claro, a buzina, para chamar a atenção para si e sua banca. Pode-se encontrar desde artesanato, velharias, vestuário, calçado, comida, mobiliário, um sem fim de coisas. Deixo-vos algumas fotos do evento...





Gostei. E por incrível que pareça algumas compras: uns ténis e livros de crochet:) uma pechincha,  Get your crochet on: Fly tops & Funny Flavas
e  Beyond the Square Crochet Motifs.